Ventania.


Eu não lembro bem como tudo começou eu estava na casa da montanha de meus pais, vazia nãos que não ia lá, mas após a morte deles em um acidente de carro precise ir ver como estavam aa coisas, estava pensando em vender aquela casa, costumavam ir lá todo inverno passar uma semana, a casa ficava próxima a uma estação de Esqui, ali estavam momentos felizes de minha família, estar ali sem ele era doloroso eu sabia que não iria conseguir voltar para a aquela casa, mais me noivo acho que eu deveria ir por um final de semana ver como eu me sentiria lá antes de vender um local tal importante para meus pais, um local cheio de   boas lembranças.

Aceitei o desafio receosa iria passar um dia sozinha lá ele viria até mim no final do dia seguinte e aí passaríamos juntos o final de semana lá se se eu ficasse bem seria o nosso refúgio nas férias, eu amava quele ligar amava as montanha adorava ir até uma parte alta apenas para sentir o vento em meu rosto, mas quando cheguei sozinha lá sentir um aberto no meu coração, a primeira noite fora difícil, mas na manha seguinte sentir meus pais próximos ali, as lembras ali era boas nos três sempre sorrindo, era reconfortante estar ali não deprimente eu não precisava de mais tempo para saber que eu estava enganado, iria permanecer ali apenas para curtir aquele lugar maravilhoso, foi quando o meu noivo me ligou avisou que estava preso na estrada que ela estava broqueada por uma queda de arvores e que os bombeiros falarão que levarias dois dias para eles poderem liberar a estrada novamente.

Resolvi arromanar o lugar limpar as coisas a casa estava a muito fechada e precisava de alguns reparos, passei aquele dia organizando tudo encontre um álbum de fotos antigo, perdi  algumas horas olhando ele e me recordando as minhas aventurar com meu pai no vale próximo, foto de meu primeiro cachorro que sempre corria comigo pelos cantos até quando já estava velhinho  eu uma adolescente que queria apenas ir para o vale para ficar longe dos pais, quando a idade o levou meu pai me levou para o vale mesmo não sento a época do ano que normalmente íamos para lá enterremos ele no vale e colocamos varias pedras no local, aquela era a única lembrança triste daquele lugar, pensei que seria uma boa ir visitar meu velho amigo no dia seguinte.

Fui dormir com o coração apertado pelas as lembras das fotográficas, as lembranças nas fotos baterão forte em meu coração quase mudei de ideia sobre a casa novamente, mas como poderia abrir mão de todas aquelas lembranças? Foi ali deitada na cama de meu antigo quarto distraída com as lembras, não querendo admitir que precisava chorar e colocar todos aqueles sentimentos para fora, por meus pais por meu cachorro que ouvir um som no andar de baixo.

Foi um som estranho eu não sabia distinguir o que era, talvez um esquilo era comum eles conseguirem entra na casa me lembrei de um dia que um entrou e derrubou vários enfeites da estante da sala, a casa não recebia alguém a tanto tempo que talvez eles tivessem se apropriado dela, resolvi permanecer em minha cama deixar par ao dia seguinte verificar isto. Porem o barulho estava estranho não era o som de um esquilo parecia passos de um animal maior, um cachorro talvez? Resolvi sair da cama e ir verificar o que estava acontecendo, levei a lanterna e o telefone, qualquer coisa eu me trancaria em um quarto e chamaria por socorro.

Andei devagar, o barulho parara por alguns segundos pensei em voltar para a cama não era nada, barulho do vento talvez? Mais aí ouvir um som baixo um choro suave de cachorro, talvez fosse um lobo, talvez fosse melhor me tancar em um quarto e esperar por socorro, mas eu reconhecerei aquele som, e não era possível ser o que eu estava pensando era simplesmente impossível.

Mas quando cheguei na ponta da estaca lá estava ele, sentado como sempre me esperando para nosso passei no vale choramingando pela aminha demorar em descer para sair com ele, aquilo só podia ser uma alucinação, um sonho  pois acabara de ver as fotos deles e estava apenas com saudades dele, mesmo assim eu desci as escada correndo meu coração estava saltitando  no peito de ver ele ali me esperando mais uma vez, antes que eu pudesse abraça-lo mais uma vez ele correu para a porta e a ultrapassou, eu  o ouvir latindo do lado de fora me chamando para ir com ele com ele como sempre fazia, aquilo só podia ser um sonho então eu o seguir;

Corremos pela trilha em direção ao vale, lá estava as pedras onde ele fora enterrado, me ajoelhei em frende delas e chorei, foi ali quando permitir que a dor me dominasse que que tudo mudou. Eu estava olhando fixamente para as pedras, me lembrei do dia que eu fui ali com o meu pai enterre-lo como estava obcecada em encontrar as pedras mais bonitas para ele, eu estava olhando fixamente para a ultima que coloquei a que mais demorei para encontra, que não via o que estava eu meu redor então quando ela falou eu deu um pulo me levantei e na minha frente estava uma mulher, com os cabelos lisos que caiam pelo o seus ombros até a sua cintura, olhos verde um verde único um cor tão viva ela falava com uma voz suave agradável.

“Seja bem vinda de volta minha pequena amiga nós de esperávamos” olhei para baixo meu cachorro estava ao lado dela. “Fico feliz que o você o tenha confiado aminha agora eu posso lhe devolver seu amigo” Uma grande ventania começou a sobrar a me rodear ela deveria me incomodar me fazer querer correr de lá mais não o quis me sentir em casa ali. Foi ali que vi uma varinha aparecer no topo das pedras ela era de uma madeira clara com uma pedra esverdeada na ponta a mulher voltou a falar.” Pegue-a ela é sua está na hora de você assumir o meu lugar como Bruxa dos ventos, seu amigo irá se juntar a você ele será o seu familiar, irá lhe proteger novamente e desta vez a idade não irá leva-lo de você. Pegue a varinha e assuma o seu lugar como a protetora da magia do vendo não tenha medo este poder pertence a você.”     

Olhe para a mulher, para meu cachorro, depois para a varinha eu estava com medo, mas sentia que ela era minha a segurei com força com as duas mão sentir um vendo percorrendo o meu corpo me fortalecendo, me mostrando todo um poder que nunca imaginei que existia, sim ali e era o meu lar proteger aquela magia era o meu dever, e quando meu cachorro encostou a sua cabeça em minha perna eu não tive mais duvidas de nada apenas aceitei minha nova missão, pois não havia mais dúvidas em meu coração  eu era a Bruxa dos ventos.

Entre no nosso apoia.se e ajude a aumentar os conteúdos dos blogs e do nosso Instagram

https://apoia.se/eumaiseumaisalguem

Nós sigamos no Facebook para receber notificações de todos as postagens dos blogs e novidade 

https://web.facebook.com/EuMaisEuMaisAlguem/

Entre também no nosso Discord para discutir sobre as nossas histórias, sobre suas habilidades de escrita e trocar ideias sobre nossas histórias e trabalhos.

https://discord.gg/4k38Jdu

siga nosso canal na Twitch Lives quase todos os dias de jogos de 4° e domingos Mesa de RPG baseada no Ragnarok Online;

https://www.twitch.tv/afesua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s